Phone: (12) 39415199    E-mail: Contato@reproferty.com.br

Contraceptivos

ADESIVO

Anticoncepcional hormonal sob a forma de adesivo a ser colado na pele (nádega, abdome, etc) uma vez por semana durante três semanas. Deixa-se uma semana livre de adesivo para permitir a vinda do sangramento de privação (menstruação). Reiniciar na semana seguinte.

Frequência de uso/troca: semanal;

Local de uso: pele: glúteo, abdômen, braço ou costas;

Quem administra: usuária;

Contra indicações: mesmas dos anticonceptivos hormonais orais e além disso não deve ser usado por mulheres com 90kg de peso ou mais.

DIAFRAGMA

 É um pequeno dispositivo circular de borracha com borda firme e flexível; que ao ser colocada na vagina forma uma barreira física sobre o colo do útero.
Frequência de uso/troca: a cada relação sexual;
Local de uso: vagina;
Quem administra: usuária.

PÍLULA

As pílulas anticoncepcionais orais combinadas (AOC) contêm ambos, estrógeno (E) e progestágeno (P).

Freqüência de uso/troca: diária

Local de uso: oral (comprimido)

Quem administra usuária Vantagens: altamente eficaz (taxa de gravidez 1-8 por 100 mulheres durante o primeiro ano de uso); eficaz imediatamente se iniciado até o dia 7 do ciclo; poucos riscos à saúde relacionados com o método; não interferem com o relacionamento sexual; períodos mais curtos e leves; redução da cólica menstrual; melhoramento de anemia; prevenção de gravidez ectópica; proteção contra algumas causas de DIP.

Desvantagens: depende da usuária, requer motivação e uso diário; esquecimento aumenta índice de falha; pode postergar o retorno à fertilidade; são possíveis efeitos colaterais; sem proteção para ITG e outras DST/AIDS.

INJEÇÕES

Os anticonceptivos injetáveis são aplicados por via intramuscular: mensalmente, a cada cada 2 meses ou trimestralmente(90 dias) dependendo da sua formulação. Os anticonceptivos injetáveis mensais são produtos combinados de progesterona e estradiol. Os bimensais e trimestrais possuem ação mais prolongada contendo apenas a progesterona.

Frequência de uso/troca: mensal ou trimestral

Local de uso: glúteo.

Quem administra: farmacêutico

Vantagens: altamente eficaz (taxa de gravidez 0,3-1,0 por 100 mulheres durante o primeiro ano de uso); Seguro; fácil de usar, não requer rotina diária; ação prolongada; reversível; oferece privacidade.

Desvantagens: precisa fazer uso da injeção no momento apropriado (a cada 1, 2 ou 3 meses); Sangramento irregular em alguns casos (excessivo/ escasso); demora do retorno à fertilidade

DIU

Pequeno dispositivo flexível inserido na cavidade uterina. Os tipos mais recentes são feitos de plásticos e contêm medicação (liberam lentamente pequenas quantidades de cobre ou progestágeno).

Freqüência de uso/troca: 3-10 anos

Local de uso: útero Quem administra: ginecologista

Tipos: DIU que libera Cobre, DIU que libera progestágeno, Inertes (alça de lipps)

IMPLANTE

A cápsula de silicone flexível é implantada no braço da mulher, que deve ser submetida a uma anestesia local, porque o método é invasivo. O bastão de 4cm de comprimento e 0,2cm de diâmetro é colocado sob a pele, usando uma seringa própria, quatro dedos acima da dobra do cotovelo. Quem faz a aplicação é o próprio médico. É um método que libera o hormônio progestogênio na corrente sangüínea aos poucos. De acordo com Polisseni, este método é superior a contracepção injetável por possuir um hormônio de outro grupo.

Freqüência de uso/troca: 3 anos

Local de uso:braço

Quem administra: ginecologista